Uma das melhores estratégias para adquirir renda extra é abrindo o próprio negócio. Nesse contexto, criar um site de vendas pode ser a solução ideal para você que está buscando uma atividade complementar. Um e-commerce demanda menos tempo de trabalho e pode ser configurado em poucos minutos.

O comércio eletrônico no Brasil teve um faturamento superior a 55 bilhões de reais em 2018. Já pensou em abocanhar parte desse lucro? Neste artigo, te daremos todas as informações e dicas que você precisa para ser um empreendedor virtual de sucesso. Confira!

O ambiente virtual

A queda na oferta de empregos, aliada ao aumento da demanda e outros fatores, têm formado um cenário de incentivo ao empreendedorismo no Brasil.

Ser dono do próprio negócio, além de uma excelente forma de ganhar dinheiro, significa também maior comodidade. Ter o seu próprio negócio é uma estratégia muito interessante, e trabalhar online é uma tendência que muitas pessoas estão seguindo.

Se ser o próprio chefe é uma boa oportunidade, empreender online significa ter ainda mais facilidades. Isso porque poder trabalhar de onde estiver com a ajuda de um dispositivo online significa também fazer os seus próprios horários e poder ganhar tanto quanto (ou até mais que) um negócio físico.
Belo exemplos disso são os e-commerces, ou lojas virtuais, que unem empreendedores em busca de lucro a clientes cada vez mais conectados e confiantes nesse tipo de mercado.

Como criar um site de vendas?

Montar uma loja virtual do zero pode ser uma tarefa complexa, principalmente se você nunca fez isso antes. Por isso, listamos algumas dicas para te ajudar nesse processo. Confira:

1- Pesquise nichos de mercado

Você deve escolher qual tipo de produto deseja vender de acordo com a sua afinidade com estes produtos, a oferta, a demanda e a possibilidade de sucesso. Contudo, é importante levar em consideração também a possibilidade de lucro do nicho escolhido.

Por isso, opte por nichos de mercado. Pense em um exemplo: moda feminina. Há uma infinidade de e-commerces vendendo roupas para mulheres. Mas você consegue se lembrar de algum que comercialize apenas peças plus size?

Encontre lacunas no mercado que você pode preencher de alguma forma, se tornando referência e fidelizando clientes. Para isso, no entanto, é preciso pesquisar bastante e analisar a concorrência para evitar os mesmos erros e obter sucesso fazendo diferente.

2- Escolha uma plataforma

Um site de vendas liga dados, usuários, produtos em uma plataforma online.

Após decidir o que vender pela internet, você deve escolher onde e como vai fazer isso. A questão é analisar qual das opções de plataforma se encaixa melhor no seu projeto de e-commerce, sabendo que há características distintas em todas elas.

É necessário avaliar quais as vantagens de cada plataforma, como possibilidade de personalização, estabilidade, segurança, integrações etc. Confira as principais características das maiores plataformas de e-commerces disponíveis:

Woocomerce

O Woocomerce foi criado pela empresa Woothemes em 2011. Trata-se de um plug-in do WordPress traduzido para várias línguas, inclusive o português.

Algumas pessoas confundem o Woocomerce com uma plataforma virtual, mas, na verdade, ele é apenas uma instalação cujo funcionamento depende do de outra plataforma.

Magento

O Magento é uma plataforma de código aberto, ou seja, pode ser alterada conforme o gosto do usuário. Isso é bom pelas possibilidades de personalização, que podem ajudar o lojista a adaptar o site ao conceito da loja.

Algumas qualidades são adaptação ao crescimento, boa estabilidade e processamento, funcionalidades de marketing, grande comunidade de desenvolvedores, além do suporte a um grande número de produtos, páginas, pedidos e clientes.
Como pontos negativos, no entanto, podemos destacar o preço das extensões, a inutilidade de diversos recursos, curva de aprendizagem complexa e o desempenho muito dependente de hospedagem. Isso porque não é qualquer pessoa que conseguirá operar nessa plataforma com um conhecimento básico.

Opencart

O Opencart também é uma plataforma de código aberto, porém bem mais fácil de usar e personalizar. Os pontos positivos são a facilidade de uso, disponibilidade de  extensões e baixo preço dos temas, sendo alguns até gratuitos. Além disso, a interface administrativa é responsiva e ágil.

Já os pontos negativos são as limitações de cache e de funções de SEO, personalização complexa, a falta de suporte para lojas de grande porte e poucas funcionalidades de marketing.

Dotstore

A Dotstore oferece a possibilidade de trabalhar com vendas online sem a necessidade de conhecimentos técnicos em programação. Além disso, ela possui integração com os principais marketplaces do mercado, como o Mercado Livre.

Como pontos negativos, podemos destacar a ausência do suporte para o cliente, além de também não oferecer muitas funcionalidades de marketing.

Midhaz

A Midhaz é uma plataforma de e-commerce que funciona via Dropshipping, ou seja, o lojista vende diretamente do estoque do fabricante ou fornecedor. Dessa forma, não é preciso ter preocupações comuns como capital de giro ou frete.

Dentre as vantagens de se vender nessa plataforma estão a não necessidade de possuir conhecimentos técnicos de informática e programação, além do suporte de uma equipe integralmente dedicada ao sucesso do cliente. Além disso, é possível personalizar a loja e integrá-la ao Mercado Livre. Saiba mais:

4- Atente-se ao domínio e à hospedagem

Assim como o dono de uma loja física deve se preocupar com o endereço e com o nome do seu estabelecimento, no ambiente virtual o empreendedor deve se preocupar com o seu domínio para ser facilmente encontrado e realizar vendas.

Sendo assim, o domínio é o endereço da sua loja na internet. É o nome que deve ser digitado na URL para acessá-la. Já a hospedagem é o serviço de suporte e armazenamento de dados do seu site. Ambos ajudarão a garantir a segurança da loja, por isso devem ser bem considerados.

A pessoa que deseja criar um site de vendas deve buscar uma empresa confiável, que ofereça o plano ideal para o seu negócio e faça a hospedagem em um local seguro e estável. Contudo, existem servidores que fazem esse serviço gratuitamente, tendo vantagens e desvantagens.

Tipos de hospedagem

Existem vários tipos de hospedagem e de diferentes preços e benefícios. Conheça alguns:

Hospedagem Compartilhada

É o tipo de hospedagem de loja mais fácil e barato. Por isso, é também o mais utilizado. Nele, diversos sites compartilham do mesmo servidor, que oferece recursos para os seus clientes. A hospedagem compartilhada é a mais indicada para pequenos e médios empresários.

Servidor Dedicado

É o servidor mais caro, por cuidar exclusivamente do seu site e permitir a maior liberdade de personalização.Com esse servidor, a chance do site ficar fora do ar é mínima. O Servidor Dedicado é recomendado para sites de grande porte, com um alto tráfego.

Hospedagem VPS

O VPS (Servidor Virtual Privado) é o meio termo entre a Hospedagem Compartilhada e o Servidor Dedicado. Comparado à Hospedagem Compartilhada, o VPS é mais caro.

Ele também compartilha recursos com outros sites, porém em um número limitado e bem menor. Já comparado ao Servidor Dedicado, o VPS é mais barato, porém também com um limite menor de recursos.

Hospedagens gratuitas valem a pena?

A hospedagem gratuita tem como vantagem, obviamente, a questão financeira. Já como desvantagem, podemos citar a limitação na personalização do site, tanto na aparência quanto no domínio. Contudo,  algumas plataformas de e-commerce oferecem recursos de personalização para lojistas parceiros.

Domínio ou subdomínio?

Para ter um domínio próprio, você deve pagar por ele e, desta maneira, a URL será terá o nome da sua loja ou o que você quiser (e estiver disponível para uso). O lojista deve se preocupar muito com o nome escolhido, já que se trata da identidade do seu empreendimento.

O subdomínio é quando o nome da sua loja está atrelado à uma URL já existente. É como se a sua loja fosse um apartamento que faz parte de um prédio, diferentemente do domínio próprio, que a sua loja é como se fosse o prédio inteiro.

Observação: o “site” é quem detém o domínio próprio e fica responsável por garantir o serviço de hospedagem para o funcionamento das lojas.

5- Defina as formas de pagamento

Ao criar um site de vendas, é preciso se preocupar com todo o processo relacionado à experiência de compra do consumidor, o recebimento do valor da venda e a segurança dessa transação. Há três formas de pagamento disponíveis para e-commerces: intermediadores, gateways e integração direta. Saiba mais:

Intermediadores de pagamento

Intermediadores são uma espécie de terceirização do processo de faturamento. É o método mais utilizado porque exime o lojista de burocracias e responsabilidades, já que uma outra empresa cuida de todo o processo. Em contrapartida, ela pode cobrar uma taxa sobre o valor da venda.

A desvantagem é que o cliente precisa ser redirecionado à outra página para efetuar o pagamento. As vantagens são a diversidade de bandeiras e formas aceitas, a análise antifraude e a experiência de quem já atua nesse tipo de negócio. Alguns exemplos são PayPal, Mercado Pago, PagSeguro e Moip.

Gateway de pagamento

Esse método é como se fosse uma maquininha de cartão online. O lojista, no entanto, pode negociar a tarifa de compras e a transação é toda feita no próprio site, sem direcionamento.

Gateways são instalados em servidores mantidos pelas empresas que autoriza esses pagamentos online. No momento da compra, eles são diretamente ligados à essas empresas e, a partir da análise de crédito, o pagamento é ou não autorizado.

Integração direta de pagamento

Neste método, como o próprio nome sugere, não há nenhum tipo de intermediação ou terceirização do serviço. Por isso, não há taxas ou negociações sobre tarifas. Em contrapartida, esse é um serviço com alto valor de implementação, e que exige uma equipe dedicada.

Como ter sucesso com um e-commerce?

Agora que você já sabe como criar um site de vendas, veja as dicas que separamos para que você seja ainda mais bem-sucedido no mundo dos negócios virtuais:

Divulgue o seu negócio para alavancar as vendas

A divulgação é essencial para qualquer negócio, até porque quem não é visto não é lembrado. Faça as pessoas virem a sua loja e os produtos que você vende, e lembre-se de usar as redes sociais nesse processo.

Duas delas são fundamentais nesse processo: o Facebook e o Instagram. Ambas redes sociais possuem mais de um bilhão de usuários ativos por semana. Portanto, não deixe de criar um perfil comercial nessas redes sociais.

O poder de compartilhamento e a quantidade de usuários que podem tem acesso ao seu e-commerce é muito grande, assim como a probabilidade de eles virarem embaixadores da loja caso gostarem do atendimento e dos produtos ou serviços adquiridos.

Fique de olho na concorrência

É importante ter algo ou alguém para tomar como referência. Assim, você ganha bons exemplos do que fazer para obter sucesso e de quais erros evitar. Preços, formas e condições de pagamento, descontos e a própria estrutura do site devem ser observados.

Busque se destacar no mercado, não só pela qualidade dos produtos, mas também pela qualidade do seu serviço. Garantindo que o seu cliente terá uma ótima experiência comprando com você, você conseguirá destaque entre os seus concorrentes.

Configure o layout e invista na sua identidade visual

Sabe quando você vai comprar alguma coisa sem conhecer direito o produto, mas confia que ele é de qualidade e que a empresa é séria porque a identidade visual da marca é bem feita? Pois é.

É fundamental investir na identidade visual do seu negócio. Portanto, procure ter uma logomarca e um site chamativo e bem estruturado. Isso passa uma ideia de profissionalismo, e facilita para que o cliente se sinta atraído e memorize a sua marca.

O layout do seu site pode interferir no tempo de carregamento da página. Além disso, ele pode interferir também no tempo de sessão do usuário e na taxa de rejeição, uma vez que o visual pode influenciar na decisão do cliente de comprar ou não na sua loja.

Tenha um site de vendas responsivo

Por falar em experiência do usuário, é preciso ter em mente que, cada vez mais, ele acessa site e faz compras utilizando dispositivos móveis, principalmente smartphones. Por isso, é preciso ter um e-commerce que se adapte a essa realidade e seja bem desenvolvido não apenas para desktops.

A maioria das plataformas já possui essa preocupação e oferece um design responsivo, ou seja, que se adapta aos mais diversos dispositivos. Mas é preciso estar atento a isso.

Com essas dicas, é possível aumentar o número de visitas, a taxa de conversão e o volume de vendas.

Dicas de SEO

SEO é a sigla para Search Engine Optimization. Na prática, é um conjunto de técnicas para que o seu site apareça no topo dos resultados de busca feitas em motores como o Google. Isso traz mais visibilidade e, claro, aumenta as chances de venda. Mas como fazer isso, então?

Para o seu site ser bem rankeado no Google, você deve seguir alguma instruções importantes. Uma delas é adicionar, na loja virtual, palavras-chave que você julga ser importante para o seu negócio e vão te ajudar a ser encontrado pelo público.

Outro fator de rankeamento é o tempo de carregamento do seu site. Se ele demorar muito a carregar, as pessoas rapidamente voltarão para a página de resultados e procuração outro site. Assim, o Google entenderá que o seu site não oferece o que elas procuram e, por isso, não deve aparecer em boas posições.

O tempo de permanência do cliente no seu site também conta bastante. Portanto, preocupe-se em oferecer uma boa experiência, tanto visual quanto de conteúdo (promoções, descrições etc).

Viu como é possível criar um site de vendas? Agora que você já sabe mais sobre esse assunto, escolha uma plataforma que ofereça a maior quantidade de facilidades para que você tenha que se preocupar pouco com burocracias ou processos custosos. Quer uma dica? Então descubra como funcionam as lojas Midhaz!

Como criar um site de vendas em 5 passos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

[if lte IE 8]
[if lte IE 8]
Bitnami